Análise comparativa das novas exchanges brasileiras de criptomoedas de 2018

Published on
23/5/19
by
Fernando Tancredi

Depois de analisar o mercado brasileiro de criptomoedas em 2018, comparando dados de 28 exchanges neste artigo, decidi focar essa segunda análise nas exchanges que foram lançadas no ano passado. Como foi possível verificar no Relatório Anual - Mercado Brasileiro de Criptomoedas 2018, das 35 exchanges pesquisadas, 23 surgiram em 2018 - isto é, 66% do total.

Com tantas novas opções para negociar criptomoedas, o investidor brasileiro certamente se depara com uma decisão complicada na hora de escolher qual delas usar. Para entender melhor quais foram as novas exchanges que mais cresceram e dominaram o mercado, analisei dados mensais de 18 delas: 3xbit, BitBlue, Bitnuvem, BitPreço, Brabex, BrasilBitcoin, Coinbene, Coinext, CryptoMKT, e-Juno, Modiax, New Cash, NovaDAX, Omnitrade, Pagcripto, PitaiaTrade, Profitfy e XDEX.

Quais das novas exchanges você acha que tiveram um melhor ano em 2018?

Ao final do artigo, você poderá conferir como a pesquisa foi feita e, inclusive, ter acesso aos dados coletados.

Comprar bitcoins mais barato

Novas exchanges e o mercado

Primeiramente, é interessante analisar a evolução do market share das novas exchanges, em comparação ao mercado como um todo. Até julho de 2018, o mercado ainda era dominado pelas exchanges já consolidadas em termos de volume de negociação de BTC. A partir de então, as novas exchanges começaram a ganhar espaço no mercado brasileiro, diminuindo a dominância das exchanges já consolidadas.

No gráfico abaixo, você pode notar essa evolução:

O crescimento das novas exchanges foi mais acentuado a partir do segundo semestre do ano passado, com destaque para o mês de setembro, quando a Coinbene e a 3xbit tiveram um volume maior de negociação.

Assim, o market share total das exchanges novas - isto é, a soma do seu volume de negociação de BTC dividida pelo volume total do mercado - atingiu seu pico com 31% em setembro, estabilizando-se nos meses seguintes em cerca de 22%.

Crescimento das novas exchanges

O market share das novas exchanges cresceu, mas de quanto efetivamente foi esse crescimento para cada exchange?

Analisei os volumes negociados em BTC e calculei a variação média mensal de 3 meses a partir de junho de 2018. O crescimento médio das novas exchanges foi de 197% ao mês, um número bastante expressivo para o mercado. Isso indica que, em média, elas quase triplicaram seu volume de um mês para o outro, durante 3 meses. No gráfico abaixo, é possível conferir essa variação média para cada exchange:

Para exchanges que tiveram menos de 3 meses de dados coletados, seja por indisponibilidade dos mesmos ou pelo tempo de atividade, o crescimento não foi calculado.

Destacam-se os desempenhos da BitBlue, com 590% de variação média; da 3xbit, com 422%; e da Brabex, com 339%. Foram essas as 3 exchanges com maior crescimento médio em 2018.

Market share entre novas exchanges

Além do crescimento, é válido também analisar a fatia que cada nova exchange possui entre as 18 exchanges que surgiram e foram analisadas em 2018. Isto é, qual das novas exchanges teve maior market share entre elas? Para isso, não foram consideradas as exchanges que surgiram antes de 2018.

Como é possível notar no gráfico abaixo, a Coinext, com 28% do mercado entre novas exchanges, a 3xbit, com 21% e a BitBlue, com 15%, foram as que mais dominaram o mercado em 2018. Se você quiser saber o quanto cada uma dessas representou no mercado como um todo, incluindo exchanges como Foxbit, Mercado Bitcoin e BitcoinTrade, confira este artigo já publicado anteriormente.

Será que a data de lançamento dessas exchanges pode estar relacionada com o desempenho delas no mercado? As novas plataformas que surgiram no 2º semestre, quando o mercado começou a ficar menos concentrado, teriam se saído melhor? Para verificar essa possibilidade, comparei o market share médio das exchanges que surgiram em cada trimestre do ano passado.

Na ilustração abaixo, é possível verificar que as exchanges que lançaram no 2º trimestre de 2018 tiveram um market share médio superior às outras, com 8,51%. Embora o 3º trimestre tenha sido marcado pelo surgimento de 7 novas plataformas, assim como nos 3 meses anteriores, estas não se consolidaram no mercado, com apenas 4,9% de share, em média.

Assim, o 1º e o 4º trimestres do ano passado não tiveram muitos lançamentos de novas plataformas. Destaca-se, aqui, o surgimento da Coinext em abril e da 3xbit em maio, que contribuíram para que o grupo do 2º trimestre superasse os demais em termos de share médio.

Por fim, o gráfico abaixo evidencia com clareza as duas principais variáveis aqui analisadas: crescimento e market share entre novas exchanges.

Os pontos do gráfico mais à direita e acima são as exchanges que mais aumentaram seu volume de negociação e, ao mesmo tempo, conquistaram maior participação no mercado em 2018.

É válido ressaltar que exchanges com menos de 3 meses de dados ou de atuação não tiveram seu crescimento computado, embora tenham sido adicionadas ao gráfico acima por conta do seu market share. É o caso da NovaDAX e da e-Juno.

Metodologia

Este artigo foi produzido a partir dos mesmos dados coletados no relatório anual do mercado, publicado anteriormente aqui. Minha pesquisa consistiu em coletar dados de volume, preço e números de trades mensais do par BTC/BRL das principais exchanges brasileiras entre os meses de janeiro e dezembro de 2018. Devido à indisponibilidade de dados históricos de muitas exchanges, foi necessário recorrer a outras plataformas para coleta de informações, e algumas corretoras tiveram de ficar de fora da análise. Além disso, pelo mesmo motivo, a análise focou apenas nas negociações feitas de Bitcoin, no par BTC/BRL, também porque o volume de negociação de altcoins se mostrou consideravelmente inferior.

Ao todo, 35 exchanges foram pesquisadas e 28 delas foram analisadas, a partir da disponibilidade de dados históricos das mesmas. Em ordem alfabética, as exchanges analisadas foram as seguintes: 3xbit, BitBlue, BitCambio, BitcoinToYou, BitcoinTrade, BitNuvem, BitPreço, Brabex, BrasilBitcoin, Braziliex, BTCBolsa, Coinbene, Coinext, CryptoMKT, e-Juno, FlowBTC, Foxbit, Mercado Bitcoin, Modiax, NewCash, NovaDAX, Omnitrade, Pagcripto, PitaiaTrade, Profitfy, TemBTC, Walltime e XDEX.

As fontes utilizadas para coleta de dados foram:

  1. APIs públicas das exchanges
  2. Gráficos de preço e volume nas plataformas das exchanges
  3. Histórico mensal disponível no Portal do Bitcoin
  4. Histórico mensal disponível no Cointimes Report

Assim, caso as fontes de 1 a 4 não estivessem disponíveis para determinada exchange, ela não foi incluída no relatório.

Vale ressaltar, também, que no caso de uma determinada exchange não divulgar dados de volume em reais, o mesmo foi estimado com base no ticket médio das 4 maiores exchanges. Por um lado, isso desconsidera o fato de que algumas exchanges podem ter um ticket médio superior - como em casos de exchanges que fazem operações OTC na plataforma -, e essa foi uma limitação da pesquisa. As exchanges que tiveram o número de trades e o volume em reais estimados foram: 3xbit, Coinbene, Coinext, CryptoMKT, FlowBTC, NewCash, Omnitrade e XDEX.

Comprar bitcoins sem taxas

Você pode conferir todos os dados coletados para essa pesquisa neste link. Fique à vontade para compartilhar os resultados dessa pesquisa com os devidos créditos.

Para correção de qualquer fato ou dado aqui mencionado, basta entrar em contato comigo por e-mail: fernando.tancredi@passfolioapp.com.

Este relatório foi produzido pela Passfolio a partir das informações de trades publicadas por exchanges nas fontes citadas. Este material e as informações apresentadas podem ser distribuídos livremente com a devida atribuição à passfolioapp.com.